Construtoresdoamanha's Blog

O Professor Está Sempre Errado

É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de “barriga cheia’.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um ‘caxias’.
Precisa faltar, é um ‘turista’.
Conversa com os outros professores, está ‘malhando’ os alunos.
Não c onversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala corretamente, ninguém entende.
Fala a ‘língua’ do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu ‘mole’.
É o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.
(fonte – Revista do Professor de Matemática, no.36,1998.)

O Professor Está Sempre Errado

O material escolar mais barato que existe na praça é o professor! (Jô Soares)

É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de “barriga cheia’.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um ‘caxias’.
Precisa faltar, é um ‘turista’.
Conversa com os outros professores, está ‘malhando’ os alunos.
Não c onversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala corretamente, ninguém entende.
Fala a ‘língua’ do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu ‘mole’.
É o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.
(fonte – Revista do Professor de Matemática, no.36,1998.)

Anúncios

Infelizmente é a realidade vivida hoje pelos professores.boletim

roda dos expostos

Ainda comentando sobre o livro A criança terceirizada, não posso deixar de postar sobre a roda dos expostos, pois me chamou atenção.

Para diminuir o abandono foi criada a roda dos expostos que podemos explicar como: “A forma ara quase sempre a mesma: uma caixa de madeira com uma “gaveta” ou um cilindro giratório, com abertura dupla para o exterior e para o interior de uma igreja ou de uma instituição púbica ou privada que acolhia crianças.” (p.29) Funcionava da seguinte forma: a mãe ou outra pessoa que desejava doar um bebê colocava-o dentro da gaveta, tocava a sirene e partia, deixando a criança aos cuidados da igreja ou instituição, a roda dos expostos permaneceu por vários séculos, na Europa e nas Américas.

Fazendo um comparativo com a roda dos expostos e com a atualidade podemos dizer que o abandono de crianças foram e são pelos mesmos motivos, gravidez indesejada, gravidez fora do casamento, miséria dos pais ou morte do responsável.

Para Jose M.Filho crianças que são abandonadas ou ficam muito ausentes dos pais “costumam ter comportamentos alterado, e freqüentemente, mostram tendência a se tornarem agressivas, apresentam baixa auto-estima, além de sintomas de déficit de atenção e hiperatividade, (embora nem sempre a correlação exista de maneira clara e evidente, ou seja, pode haver hiperatividade e déficit de atenção mesmo em crianças bem cuidadas e amadas.” (p.37)

Portanto, crianças mal cuidadas e mal amadas, apresentam, além disso, dificuldades de relacionamento pessoal, baixo rendimento escolar, entre outros fatores que impedem de chegarem a vida adulta bem cuidados e tratados.

Criança Terceirizada

O autor usa o termo terceirização, porque se refere as “transferências das funções maternas e paternas para outras pessoas.” Pois hoje as famílias, mais preciosamente as mães, trabalham fora, pois precisam ajudar seus maridos com o orçamento familiar, ou às vezes, a família depende exclusivamente da renda da mulher, sendo chefe da família, deixando assim, seus filhos com pessoas terceiras. Pode-se dizer que a terceirização das crianças aumentou de forma significativa quando teve um crescimento relevante da mão de obra feminina pelo mercado de trabalho.

Hoje as crianças são colocadas muito cedo em creches, escolinhas, recebem atenção eletrônica cada vez maior pela televisão, vídeo game, jogos entre outros, onde podemos verificar a ausência significativa da família na formação de sua personalidade. Os pais cada vez mais possuem menos tempo para dedicar-se aos seus filhos, o amor paterno e materno estão diminuindo a passos largos.

Vivemos em uma sociedade consumista e globalizada, onde hoje as pessoas necessitam de um consumo exagerado, pois precisam estar sempre com o novo celular, o carro do ano, etc. E para manter seu status social cada vez mais se dedicam ao trabalho, ficando mais tempo ausentes de casa e deixando que seus filhos sejam cuidados por pessoas pagas, acarretando assim perda emocionais na família, falta de carinho, atenção e tempo dedicado aos filhos. A sociedade consumista torna-se responsável pela escassa presença de amor, mudando radicalmente as relações familiares.

O pediatra Jose Martins Filho …”decidiu enfrentar algumas questões fundamentais: será que as crianças e jovens deveriam ser cuidadas por outras pessoas que não seus pais? A terceirização de tais cuidados seria uma tendência? “

” Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-de da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta.”
(autor desconhecido)

child_globe


  • Nenhum
  • Rogério Oliveira: ainda mais, quando a escola é particular!
  • Ticiane: Não podemos mudar o mundo, podemos melhorá-lo. Mudar a nossa maneira de perceber a consequências de nossos atos. Educar as crianças para que elas

Categorias